EPISÓDIO # 01

BATE-PAPO COM HUMBERTO NUNES

Em seus trabalhos mais recentes, Humberto Nunes reúne os resquícios de indivíduos cuja existência só é testemunhada através de documentos burocráticos produzidos ou usados por eles.  Assim, fichas do INSS, documentos de repartições públicas ou até cartas pessoais são apropriados pelo artista para criações gráficas que ora lembram manchas de Rorschach, ora evocam sudários, ora imagens produzidas em momentos de devaneio.

13 - 05 - 2020

Em todas as suas obras está implícita a presença humana. Além de papéis, fazem parte de suas instalações móveis, máquinas e pequenos objetos que habitam o cotidiano produtivo/burocrático dessas pessoas cuja individualidade acabou por se perder nas pequenas tarefas mecânicas diárias.

Nausea é o primeiro trabalho do artista utilizando metal. Nunes é capaz de extrair deste material a mesma contundência do mobiliário de madeira, mais orgânico, utilizado em obras anteriores. Re-apresentados como um corpo coletivo, os arquivos de metal padronizados "vomitam" pranchas de diversos tamanhos, expelindo até o fim o que restou de humanidade nestes gabinetes oxidados por anos de trabalho repetitivo e maçante, executado mecanicamente, dia após dia, ad nausea.