Quando o anjo me ensinou

Atualizado: 6 de ago. de 2020

Desci uma ladeira de quase um quilômetro para encontrá-lo.


Num carro, se não me engano azul. Sim, azul, com alguns homens e entre eles, o de cabelos longos e loiros, com o braço para fora da janela do carro azul. Másculo, viril, com aquela pose e o braço tatuado para fora da janela.

Eu, descendo a rua principal.

Com nome de anjo e tatuagens de demônios. Ele era um menino grande.

Voz nasalada, dentes mal tratados do pó por entre as gengivas.

Dia desses, lembrei de seu sorriso tímido. Seus cabelos longos e soltos naquela noite. Sim, única vez que eu o vira assim. Decerto por querer me impressionar. Cabelos brilhantes, cheirosos, lisos e loiros. Camiseta de cor única, jeans e sapatos. Camiseta sem perfume, mas com cheiro suave do amaciante misturado ao odor da pele.

Dedos longos, mãos pesadas, braços marcados… toque suave.

O anjo e o demônio.

Noite de festa, cidade toda se encontrando na casa mais tradicional do lugarejo.

Olhavam-se todos entre si, estranhamente. Uma doce menina, desdenhada quando da companhia do menino grande. Quem o conhecia? Quem sabia dele, da sua história feliz ou triste?

Eu sabia, não somente de seus cabelos loiros e seus braços tatuados, mas de sua essência, de seu pai morto e da falta que lhe fizera. De seu irmão excepcional, com o rosto semelhante ao seu, quase idêntico, não fosse os cabelos negros.

Eu sabia de sua poesia, de suas letras recitadas do nada, pura inspiração; e de sua mania de querer levar minhas sardas consigo. “Pô mina, eu te amo”. Primeira vez que ouvira algo assim: tão puro; tão alto o tom da sua voz. Dois braços abertos imitando Cristo na cruz e gritando seu sentimento – “pô mina, eu te amo”.

O abraço, o cheiro da camiseta, o sorriso de canto de boca, a coisa mais singela que já senti.

Um anjo e um demônio. Um só.

Sem compaixão, ele amanheceu com uma estaca de madeira em seu estômago. Cinematograficamente, o fizeram morto.

O anjo subiu aos céus! Hora de encontrar seu pai e de brincar de desenhos de flores com os pequenos anjos. Hora de eu o ter para sempre. Meu demônio virou anjo e me ensinou o que é o amor.

 

Cláudia Kunst

Cláudia Kunst, produtora cultural e jornalista. Produz shows, bandas e projetos há 20 anos. É quase uma workaholic e é apaixonada por música. Adora tatuagens, carros antigos e botas empoeiradas e um pouco de solitude.


A revisão ortográfica deste texto é de total responsabilidade do seu autor ou assinante da postagem publicada. A revista Escape só responde pela revisão ortográfica das matérias, editoriais e notícias assinadas por ela.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo