Sua biblioteca

A biblioteca pessoal é uma espécie de espelho do que somos, como uma segunda pele, impressão digital única que nos distingue dos outros. Não há duas bibliotecas iguais.

Em geral uma biblioteca pessoal torna-se pequena, à medida que o proprietário, curioso, sedento de conhecimento, aumenta a sensação de que a sua biblioteca está incompleta.


A biblioteca pessoal pode ser tão pessoal como a roupa que vestimos, íntima, intransitiva, aparência do que desejamos ser, guardada só para nós como um erário precioso.

A biblioteca pessoal não se constrói de um dia para o outro, a não ser que se herde uma, mas aí passa a ser impessoal e é forçoso que a leiamos para fazer dela a nossa biblioteca. Leva anos para construir uma biblioteca, livros e mais livros, sempre poucos, escolhidos a dedo.

Uma biblioteca não é uma biblioteca pela quantidade de livros que contém, mas pelo caráter dos livros escritos por quem os outros deixaram o seu nome assinalado e para que, necessariamente, faça jus ao nome de biblioteca. Doutra forma é apenas um amontoado de papel, bibelôs coloridos que servem de adorno a uma prateleira qualquer. E quem não entender isto, para quem não tiver sensibilidade nem espírito, basta apenas um mau livro para possuir uma enorme biblioteca.

 


Daniel Cunha é publicitário e designer gráfico. Um apaixonado por imagens e cores. E, nas horas vagas, atua como ilustrador e fotógrafo. 


A revisão ortográfica deste texto é de total responsabilidade do seu autor ou assinante da postagem publicada. A revista Escape só responde pela revisão ortográfica das matérias, editoriais e notícias assinadas por ela.

34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo